Em busca da Longevidade: é possível viver 120 anos ou 150 anos?

“Pode parecer paradoxal, mas um homem de 60 ou 70 anos é ainda jovem, ele viveu apenas metade da sua vida natural. O que nós costumamos pensar como natural é, na verdade, anormal, um fenômeno prematuro. Nós podemos e devemos lutar contra o envelhecimento. Ele pode ser tratado como qualquer outra doença“.

Dr Alexander A. Bogomolets - The Prolongation of Life, 1946.

Envelhecer é um processo natural à maioria dos seres vivos.

Ainda que a biologia descreva algumas espécies que são exceções a essa regra; para a maioria de nós, seres humanos, lutar contra o envelhecimento é algo impossível e a ideia de rejuvenescer existe apenas em filmes.

Muitos estudiosos, porém, discordam. Acham que estamos envelhecendo antes do tempo naquilo que chamam de processo precoce e que, se uma pessoa com 50 anos é considerada de meia-idade, o certo seria, no mínimo, chegarmos aos 100 anos com naturalidade.

O médico e pesquisador do envelhecimento da antiga União Soviética, Dr Borgomolets, vai ainda mais longe.

Ele afirma que uma expectativa de vida de 80 anos está muito abaixo do esperado.

A tese lançada por ele em 1940, pondera que o tempo de vida de um animal corresponde a cinco ou seis vezes seu período de maturação e que, levando-se em consideração que o ser humano alcança sua idade adulta aos 25 anos, a expectativa de vida seria de 125 a 150 anos. Para o russo, a maioria de nós não alcança esta longevidade por não viver em condições favoráveis.

Assim como Dr Borgomolets, eu também acredito que grande parte da população está envelhecendo e adoecendo rápido demais e isso não deve ser aceito como algo natural. Este processo de envelhecimento é um fenômeno patológico que pode e deve ser investigado e, principalmente, ser evitado.

A receita da longevidade já existe

Está Gostando? Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Como tratar o envelhecimento?

A humanidade tem a capacidade de transformação da realidade. Evoluímos tanto que, em menos de 100 anos, mudamos nosso entorno. Projetamos aviões, internet, Wi-FI, descobrimos a penicilina, manipulamos o DNA, criamos vacinas e estamos desenvolvemos uma Medicina que prolonga a vida de pessoas doentes. Há quem acredite que a pílula da longevidade será uma descoberta deste milênio.

Minha hipótese, entretanto, é que o conhecimento para a longevidade já existe e não está relacionado a nenhum medicamento de última geração que será disponibilizado a poucos que possam pagar.

O guia para viver mais e melhor, na verdade, já foi descrito em diversas tradições, culturas e está disponível no conhecimento acumulado ao longo da história da Humanidade, só precisamos refinar nosso olhar para enxergar.

Longevidade implica em extensão da vida de forma saudável e com jovialidade. De que adianta viver mais, sem condições de usufruir da própria vida? Embora cada um de nós tenha a noção de que é importante manter uma alimentação saudável, fazer atividade física e dormir bem, é preciso ir além da referência superficial para de fato atenuar e amortecer o processo de envelhecimento.

Por centenas de anos diversas linguagens médicas buscaram compreender os mecanismos relacionados ao envelhecimento e ao adoecimento e elas nos trazem preciosas informações que são testadas pela ciência atual.

Em muitos aspectos a ciência comprova o que por séculos já está descrito nas sabedorias milenares como a Medicina Tradicional Chinesa: o sedentarismo, a alimentação inadequada e a falta de sono reparador são fatores de risco para a piora da qualidade de vida e aceleradores do envelhecimento.

O que nos falta então?

Longevidade implica em extensão do tempo de vida saudável

Devemos unir os saberes e filtrar as informações dentro daquilo que faz sentido e que está de acordo com as sabedorias tradicionais e a fisiologia convencional.

Diante do conhecimento sobre o funcionamento da mente, comportamento, alimentação, postura e movimento ideais, assim como a consciência da influência do ambiente externo em nós, devemos aplicar o conhecimento adquirido e monitorar nossa saúde.

É a força da nossa disciplina e a manutenção de bons hábitos que vão nos permitir desfrutar da tão sonhada Fonte da Eterna Juventude.

A medida que vamos aprendendo sobre o estilo de vida que determina a qualidade de nossa saúde, vamos driblando as doenças e evitando a velhice limitante.

Certamente, quando os primeiros seres humanos da era digital, já plenos de conhecimento, mantiverem sua saúde com o passar das décadas, teremos a comprovação científica que validará as atitudes e intervenções que nos farão viver com bem-estar para além dos 120.

Continue acompanhando os posts, comente, compartilhe e evolua esse conhecimento com a gente. No próximo artigo falarei sobre o que acontece quando envelhecemos. Como expliquei, o conhecimento é importante para não cometermos alguns erros no estilo de vida.

Continue acompanhando os posts, comente, compartilhe e evolua esse conhecimento com a gente.

O próximo artigo falarei sobre o que acontece quando envelhecemos, conhecer isso é importante para que não cometermos alguns erros de estilo de vida.

Gostou? Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Escrito pela Dra. Suellen Vieira Araujo

Confio na capacidade inata do corpo humano de curar-se. Este maravilhoso corpo humano, com uma mente inteligente e disciplinada, munida de conhecimento, será capaz de se manter saudável e equilibrado, sozinho, com autonomia e sustentabilidade.

Conhecimento para manter a saúde por mais tempo?
Inscreva-se na nossa lista VIP. 

Conheça medicina integrativa centrada no bem-estar humano