9 doenças para investigar intoxicação pelo metal pesado arsênio

A intoxicação crônica por arsênio é um mal silencioso que passa despercebida aos olhos da medicina convencional.

Contudo, devido às implicações à saúde, inclusive com o aumento da predisposição ao câncer e demais doenças crônico-degenerativas como hipertensão e diabetes, termos conhecimento da existência dessa condição é imprescindível para a nossa longevidade.

Diagnosticar e eliminar esse metal pesado do organismo torna-se uma opção a se considerar naquelas doenças em que as pesquisas já indicam possível associação com a exposição crônica ao arsênio.

Conteúdo do artigo:

Está Gostando? Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Abaixo, condições já descritas relacionadas à intoxicação por arsênio:

O mecanismo tóxico do Arsênico é explicado por sua capacidade de bloquear grupos sulfidrila (–SH) em enzimas e outros compostos biologicamente ativos e, assim, interromper os processos bioquímicos, inativando até 200 enzimas, incluindo aquelas envolvidas no processos mitocondriais e de síntese e reparo do DNA.

Além disso, o Arsênico pode substituir elementos importantes para as reações metabólicas, como o iodo (I), o selênio (Se) e o fósforo (P).

Com esses mecanismos de ação, a intoxicação crônica por arsênio pode ser capaz de interferir no funcionamento dos tecidos onde o arsênio se acumula: fígado, rins, coração e pulmões, tecidos musculares, sistema nervoso, trato gastrointestinal, baço e outros tecidos contendo queratina.

Quais as fontes de intoxicação por arsênio?

O arsênio ocorre naturalmente no solo e pode contaminar a água de consumo, sendo esta a principal fonte de contaminação no mundo.

Até 1993, a Organização Mundial de Saúde considerava o limite aceitável para a 50 mcg/L de arsênio em água potável, contudo, devido a crescente evidência da associação desse metal com câncer, em 1993, Organização Mundial de Saúde reduziu esse limite para 10 mcg/L.

No Brasil a regulamentação do limite máximo de arsênio de 10 mcg/L na água potável data de 2005.

Em uma breve pesquisa, encontrei relatos de água contaminada com arsênio em Minas Gerais, consequência dos mais de 300 anos de mineração e também no Rio de Janeiro e na região norte do Brasil.

O arroz é uma importante fonte de intoxicação por arsênio?

Sim. Além da contaminação direta do consumo de água, o arsênico pode também contaminar alimentos, quando a água contaminada é utilizada para agricultura.

O principal alimento contaminado com arsênio é o arroz.

Apesar de encontrarmos na internet reportagem afirmando que o brasileiro não deve se preocupar com o arsênio no arroz, estudiosos no tema tem opinião divergente: devido à importância do arroz na dieta do brasileiro, estima-se que a quantidade de arsênio que um brasileiro ingere a partir do arroz pode ser maior que aquela vinda da água

vias de exposição humana ao arsênio
Vias de exposição humana ao arsênio: água contaminada para a ingestão e/ou irrigação e culturas contaminadas.
Como diagnosticar a exposição e intoxicação pelo metal pesado arsênio?

Após a exposição, a maior concentração de arsênio é observada no fígado e rins.

No fígado o arsênio absorvido sofre transformações bioquímicas em compostos menos tóxicos: os ácidos monometilarsônico e dimetilarsínicos e cerca de 50% da dose absorvida pode ser excretada na urina em 3–5 dias.

Contudo, após cerca de 2 semanas desde a ingestão do arsênio, ele começa a se depositar também no cabelos e nas unhas, sendo possível dosar o arsênio nas unhas, cabelos, sangue e urina.

A dosagem do arsênio sanguíneo faz parte da rotina da Clínica de Longevidade. Contudo, como o arsênio é rapidamente distribuído pelos tecidos, um exame sanguíneo negativo não é suficiente para excluir o diagnóstico.

A dosagem nas unhas e cabelos apenas são sensíveis a altos níveis de exposição ao arsênio.

Já na dosagem do arsênio na urina de 24h a intoxicação é confirmada em limites superiores a 50mcg/L ou 100 mcg de arsênio na urina total.

Um teste ainda mais sensível para a detecção de arsênio são chamados de testes provocativos, onde agentes com capacidade de remover o metal pesado do organismo são administrados por via oral ou endovenosa, previamente à coleta da urina, provocando uma maior eliminação do metal no organismo.

Em uma consulta médica será definido qual melhor forma estratégica para dosar o arsênio bem como qual tratamento será utilizado.

Para mais informações, entre em contato com a Clínica de Longevidade no Whatsapp:

Gostou? Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Escrito pela Dra. Suellen Vieira Araujo

Confio na capacidade inata do corpo humano de curar-se. Este maravilhoso corpo humano, com uma mente inteligente e disciplinada, munida de conhecimento, será capaz de se manter saudável e equilibrado, sozinho, com autonomia e sustentabilidade.

Conhecimento para manter a saúde por mais tempo?
Inscreva-se na nossa lista VIP.