fbpx

3 formas de usar o cloreto de magnésio: oral, transdérmico e endovenoso

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A suplementação oral de cloreto de magnésio é a segunda forma  mais simples e barata de se obter o magnésio necessário para as mais de 300 reações metabólicas que dependem deste mineral. A primeira forma é através da alimentação rica em alimentos com potencial alcalinizante – para mais informações sobre como obter magnésio do alimento, leia meu post sobre dieta alcalina. 

A verdade é que o corpo precisa de magnésio para funcionar bem. Contudo, infelizmente,  a maioria dos seres humanos apresenta uma deficiência desse mineral pois não conhece as referências ideais de alimentação.

Um grande erro é pensar que dosar o magnésio no sangue é suficiente para descartar uma deficiência (1).  Na maioria das vezes, o magnésio está normal no sangue e a deficiência apenas é detectada dentro das células, algo difícil de monitorar nos exames de sangue comum.  

Quando o corpo recebe o magnésio que precisa, sua inteligência natural vai utilizá-lo  para aquilo que mais precisa.  É por isso que existem estudos científicos descrevendo o benefício do magnésio em diferentes sintomas e doenças.   Assim, é possível constatar que o magnésio melhora dores no corpo, alivia a fadiga, ajuda a controlar a pressão arterial e diabetes, auxilia no tratamento de asma e melhora depressão, por exemplo.   Veja as referências científicas no fim do artigo. 

A melhor forma de saber se você precisa repor esse nutriente é tomá-lo e observar se há uma melhora dos seus sintomas.  Continue lendo para conhecer as 3 formas que eu indico para utilizar o cloreto de magnésio:  Uso magnésio oral, Magnésio transdérmico e uso endovenoso.   

Este artigo expressa a minha opinião com base nas revisões em literatura médica que utilizo para validar e inovar  na minha experiência clínica. 

 

Conteúdo do artigo:

Beber o cloreto de magnésio

Principais indicações 

 

– Hipertensão e Diabetes
– Dores

– Depressão

– Asma e Alergias 
– Constipação

 

O sal de cloreto de magnésio é encontrado em qualquer farmácia a um valor bem acessível, geralmente menos de 10 reais.  O frasco ou envelope geralmente contém normalmente 33g ou 50g do sal e deve ser dissolvido em água para ser utilizado da seguinte maneira: 

Dissolva o conteúdo do frasco (33g ou 50g) em 1 litro de água, prefira um recipiente de vidro (como aquelas garrafas de suco de uva, por exemplo).  Coloque uma etiqueta para identificação com a data do preparo e guarde na geladeira. 

Não esqueça de identificar a garrafa para ninguém da sua casa beber pensando que é agua.  

Inicie o uso do cloreto de magnésio tomando 25ml dessa solução que você preparou, duas vezes ao dia. 

O Cloreto de Magnésio tem sabor ruim e isso pode fazer você não querer toma-lo. Mas acredite, vale a pena tentar. Uma dica é diluir sua dose em mais água, assim o sabor melhora ou então misturar em um suco ou na própria comida.  Seja criativo que não sentira o sabor amargo dele!!  

O principal efeito colateral o uso oral do Cloreto de Magnésio é seu efeito laxativo, e isso depende da dose. Isso é um benefício para quem tem prisão de ventre. Se você sofre de constipação,  utilize o cloreto de magnésio para evacuar diariamente. Você pode até aumentar a dose para até 120ml  da solução ao dia.  

Na dose inicial que eu recomendo,  25ml 2 vezes, o cloreto de magnésio pode provocar o amolecimento das fezes e raramente diarréia. Nesses casos, você pode reduzir sua dose diária e se a diarreia persistir, suspenda o uso.

No meu consultório, utilizo o cloreto de magnésio como uma suplementação inicial para auxiliar na constipação, contudo, ele também não deve ser utilizado para o resto da vida.  Este suplemento não será necessário quando a alimentação for evoluindo com a presença de mais vegetais. 

 

 

O óleo de magnésio - Magnésio Transdérmico

 

Principais indicações

 

– Artrites e artroses
– Chikungunya 
– Dor nas pernas por varizes e má circulação

 

O magnésio é também absorvido pela pele e pode ser utilizado pôs esta via, principalmente nos casos de tolerância ao uso oral.    O cloreto de magnésio utilizado por via transdérmica é também conhecido por  óleo de magnésio.   Eu indico a aplicação do óleo de magnésio nas articulações, em casos de dores e observo alívio de dores de artroses e também chikungunya. 

Para fazer o cloreto de magnésio basta dissolver o conteúdo de 33g em 100ml de água, assim os cristais de cloreto de magnésio vão se dissolver e a solução terá um aspecto de óleo. 

Para aliviar dores articulares, aplicar na área do corpo onde dói 2 a 3 vezes ao dia. Este óleo pode provocar uma sensação de coceira. É normal, mas se você sentir muito desconforto, ainda pode acrescentar mais água aos 100ml iniciais. Isso vai diluir ainda mais a solução reduzindo assim o prurido.  

Para pessoas que tem varizes ou dores nas pernas por má circulação, utilize soluções ainda mais diluídas nas pernas diariamente, após o banho e ao dormir.  

Você pode testar, por exemplo 33g para 300ml de água e diluir mais ou menos de acordo com a sua sensibilidade para não sentir a coceira. 

 

Magnésio endovenoso

 

Principais indicações 

 

– Melhora do desempenho físico e mental
– Otimização do metabolismo energético mitocondrial

 

O Magnésio também pode ser utilizado por via endovenosa, sob a forma de cloreto de magnésio ou sulfato de magnésio. 

Na medicina convencional o uso de magnésio endovenoso tem indicações bem limitadas, tais como a  deficiência de magnésio sérico em paciente hospitalizado, tratamento de asma e arritmias refratárias ou prevenção de crise convulsiva nas gestantes com pré-eclâmpsia. 

Já a terapia endovenosa de magnésio, tal como eu relato aqui, é uma terapia inovadora da Clínica de Longevidade. Iniciei o uso do magnésio endovenoso em 2014 a partir do entendimento de fisiologia e bioquímica a respeito deste nutriente bem como as revisões de literatura a cerca dos coquetéis de vitaminas utilizados pelo Dr Myers durante as décadas de 60 e 70 do século XX.

O principal benefício da terapia endovenosa com magnésio é a reposição imediata desse nutriente, direto na corrente sanguínea.  A terapia endovenosa com magnésio estimula a produção de energia do corpo, tendo como resultado frequente e já nas primeiras 24h após a infusão,  a melhora da fadiga e aumento do desempenho físico e mental. 

A terapia endovenosa com magnésio realizada por mim na Clínica de Longevidade tem suas particularidades, sendo uma experiência única e personalizada, na qual considero o tempo de infusão, a concentração e dosagem do magnésio administrado. Durante a infusão, o paciente é convidado a manter constante observação das sensações corpóreas e da respiração. 

 Ao contrário do cloreto de magnésio transdérmico e oral, que pode ser utilizado sem a prescrição médica,  a terapia endovenosa é um recurso disponível apenas para um grupo de pessoas em que eu sinta confiança no entendimento e benefício da terapia.   O primeiro passo para isso é o início da relação médico-paciente através de uma consulta médica.   

 

Nas minhas consultas eu deixo claro aos paciente que as terapias inovadoras da Clínica de Longevidade devem servir para aumentar a energia dar disposição para iniciar a evolução do estilo de vida. Meu objetivo é que a partir de uma aplicação de magnésio endovenoso o paciente receba a motivação capaz de fazê-lo, por exemplo, iniciar suas caminhadas.  

Referências Científicas

1. Workinger, Jayme L et al. “Challenges in the Diagnosis of Magnesium Status.” Nutrients vol. 10,9 1202. 1 Sep. 2018, doi:10.3390/nu10091202
2. Gröber, Uwe et al. “Magnesium in Prevention and Therapy.” Nutrients vol. 7,9 8199-226. 23 Sep. 2015, doi:10.3390/nu7095388
3. Tarleton, Emily K et al. “Role of magnesium supplementation in the treatment of depression: A randomized clinical trial.” PloS one vol. 12,6 e0180067. 27 Jun. 2017, doi:10.1371/journal.pone.0180067
4. Davalos Bichara, Marcela, and Ran D Goldman. “Magnesium for treatment of asthma in children.” Canadian family physician Medecin de famille canadienvol. 55,9 (2009): 887-9.
5. Zhang X, Li Y, Del Gobbo LC, Rosanoff A, Wang J, Zhang W, Song Y. Effects of Magnesium Supplementation on Blood Pressure: A Meta-Analysis of Randomized Double-Blind Placebo-Controlled Trials. Hypertension. 2016 Aug;68(2):324-33.
6. Gant CM, Soedamah-Muthu SS, Binnenmars SH, Bakker SJL, Navis G, Laverman GD. Higher Dietary Magnesium Intake and Higher Magnesium Status Are Associated with Lower Prevalence of Coronary Heart Disease in Patients with Type 2 Diabetes. Nutrients. 2018 Mar 5;10(3). pii: E307. doi: 10.3390/nu10030307.
7. Park, Rex et al. “Magnesium for the Management of Chronic Noncancer Pain in Adults: Protocol for a Systematic Review.” JMIR research protocols vol. 8,1 e11654. 11 Jan. 2019, d

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Deixe seus comentários
Dra Suellen Vieira Araujo

Escrito pela Dra. Suellen Vieira Araujo

Confio na capacidade inata do corpo humano de curar-se. Este maravilhoso corpo humano, com uma mente inteligente e disciplinada, munida de conhecimento, será capaz de se manter saudável e equilibrado, sozinho, com autonomia e sustentabilidade.

Fechar Menu